Psyllium: da fitoterapia à culinária

As fibras alimentares são agrupadas de acordo com suas características e composição. Elas são encontradas, principalmente, em alimentos de origem vegetal: frutas, cereais, verduras e legumes.

As fibras solúveis, quando em contato com a água, formam géis e não são digeridas no intestino delgado. Ou seja, são fermentadas pela microflora do intestino grosso. A formação desses géis apresenta a capacidade de reduzir a absorção de açúcares e gorduras e também auxilia na sensação de saciedade.

Já as fibras insolúveis não formam géis, e sua propriedade é direcionada ao aumento do bolo fecal, regulando o funcionamento do trânsito intestinal. A maioria dos alimentos pode ser constituída tanto de fibras solúveis como insolúveis.

Entre as fibras solúveis podemos citar o psyllium. O psyllium é obtido a partir da semente de uma espécie de planta pertencente à família plantaginaceae do gênero plantago. Ele é considerado uma fibra alimentar do tipo polissacarídeos não amido, sendo enquadrado no grupo de gomas e mucilagens.

O psyllium vem sendo utilizado na fitoterapia por suas propriedades medicinais. Além disso, também é utilizado como ingrediente culinário em receitas veganas e/ou com isenção de glúten, substituindo ovo e farinhas. O psyllium confere maciez e umidade, auxiliando na elasticidade e textura de pães e bolos, por exemplo.

Ele é a única fibra viscosa capaz de resistir totalmente à fermentação pelo trânsito intestinal. Por isso, essa característica pode lhe conferir um efeito laxativo e aumentar a flatulência.

Alguns estudos mostram que o psyllium pode ser utilizado na prevenção e no tratamento da constipação. Outros estudos sugerem também que o psyllium pode reduzir os níveis plasmáticos de colesterol total, LDL colesterol e glicemia.

Apesar dos benefícios observados em estudos, e também pelo psyllium parecer promissor na prevenção e/ou controle de algumas doenças, ainda não existe uma recomendação mais precisa da quantidade adequada a ser ingerida.

Boa semana e até a próxima segunda!

Caroline Pappiani Psyllium: da fitoterapia à culinária

Nutricionista. Doutora em Ciências. Professora Universitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *